Marketing Viral

Marketing Viral: O que é e como fazer?

“Viral” não costumava ter um significado muito positivo, mas na era da internet, ganhou uma nova conotação; aquilo que se espalha rápido. É um termo comumente usado pra todo conteúdo digital que se propaga em altas velocidades. De usuário em usuário, de plataforma em plataforma, o conteúdo é compartilhado muitas vezes em um período curto de tempo. Ou seja, ele “viraliza”.

Certo, mas e o que isso tem a ver com marketing? O que é marketing viral, exatamente?

O Que é Marketing Viral?

O conceito de marketing viral é bastante simples: se trata de qualquer material publicitário que foi criado com a intenção de ser compartilhado pelas pessoas. Quer dizer, é uma propaganda que você projeta para que seu público compartilhe com os amigos, passe adiante, recomende, e assim gere maior exposição para o seu negócio. Dá pra ver como essa estratégia é promissora; de amigo em amigo, de contato a contato, você atinge um número muito maior de pessoas do que seu público original.

O exemplo clássico de marketing viral, que também ajudou a dar origem ao conceito, foi o do Hotmail. Eles se utilizaram de uma prática muito comum na época, que foi adicionar uma pequena mensagem de marketing no rodapé de todos os e-mails enviados através do serviço. Essa mensagem era:

“Get your private, free email at http://www.hotmail.com” (Adquira seu e-mail privado de graça em http://www.hotmail.com)

Nada muito complexo, certo? Mas como todo marketing viral, a aposta é no compartilhamento rápido. Cada e-mail disparado pelo servidor gerava um novo cliente em potencial. E cada novo cliente é um ponto novo de propagação.

Como Fazer Marketing Viral?

Então, o conceito é fácil de entender. Será que é fácil de colocar em prática, também?

Mais ou menos. O marketing viral tem grandes vantagens, mas não é sem riscos. Viralização, especialmente na internet, pode ser imprevisível; com a quantidade de informações entrando na rede todos os dias, é impossível prever com certeza qual conteúdo vai ser compartilhado, ou em que medida vai se espalhar, ou mesmo de que modo vai se espalhar. Por isso alguns especialistas consideram essa uma estratégia de risco.

Por outro lado, se executado com sucesso, o marketing viral tem uma efetividade sem igual para gerar exposição. Ele pode destacar seu negócio em um mar de competidores. E apesar da imprevisibilidade, existem alguns parâmetros pelos quais se guiar.

E vale a pena lembrar, antes de mais nada: nem o melhor slogan do mundo vai viralizar se estiver atrelado a um negócio de má qualidade. É preciso ter um serviço ou produto bem feito, digno de publicidade.

1. Conteúdo de Fácil Acesso

O marketing viral aposta no compartilhamento, e por isso seu conteúdo deve ser fácil de passar pra frente. Afinal, quanto mais fácil você puder linkar, compartilhar, fazer referência, etc., a qualquer conteúdo, mais rápido ele pode se espalhar. Essa facilidade diz respeito a muitos aspectos. Por exemplo:

Textos enormes e formulários não viralizam. É melhor se focar em conteúdos curtos, de fácil absorção, que você possa visualizar e compartilhar com apenas alguns toques. Esse é um dos motivos pelo qual conteúdos audiovisuais tem sido tão utilizados no marketing viral. Eles são fáceis de assistir na TV ou na Internet.

Falando em TV ou Internet; aonde você está postando sua publicidade? Preste atenção na mídia social que está utilizando, para poder adequar o conteúdo à mecânica da plataforma, e ao público que a frequenta. Por exemplo, tuites com 10 a 12 caracteres sobrando (quer dizer, que não utilizam todos os 140 caracteres disponíveis) são mais compartilhados. Se você está usando o Facebook, pode escolher dentre vários formatos dos postagem. No Instagram, é imprescindível ter um conteúdo visual de qualidade. E assim por diante.

Por último; como as pessoas vão compartilhar seu conteúdo, uma vez que o encontrem? Você incluiu um botão prático para compartilhar, não só na própria plataforma de postagem, mas em outras? Encorajou que o conteúdo seja propagado? Por exemplo, se você criou um infográfico, pode incluir um disclaimer que ele pode ser reutilizado à vontade, desde que incluindo crédito.

2. Conteúdo Viral

Como dissemos, é impossível prever com certeza qual conteúdo vai viralizar; mas alguns tipos de conteúdos tem mais chances que outros.

O elemento surpresa é uma ótima aposta; conteúdos surpreendentes, diferentes, originais, tem muito mais chances de ser compartilhados. É difícil gerar publicidade que surpreenda, saindo dos moldes convencionais tanto do ramo, quanto da própria marca. Mas pode valer muito a pena.

Um exemplo clássico é a da marca americana de produtos higiênicos Old Spice; por ser uma marca clássica, ela vinha perdendo mercado jovem que a considerava antiquada e “pra gente velha”. A empresa apostou tudo em uma campanha de marketing com um foco totalmente diferente. Em vez de se dirigir diretamente aos homens, se focou nas mulheres, com comerciais centrados em um galã romântico — os vídeos inovadores viralizaram em velocidade absurda no YouTube, e a marca renasceu completamente.

Conteúdo relevante também é crucial; modismos, atores do momento, febres passageiras, não garantem viralização. Mas temas com relevância universal tem grande apelo junto ao público. Quando este se identifica, pessoalmente, com sua publicidade, é muito mais provável que compartilhe com os amigos. Família, sucesso, idade, amizade — muitos temas assim nunca perdem a relevância.

Por último, uma dica do que não fazer: marketing viral não é o momento de abordar assuntos complexos, que necessitam sutileza na hora da discussão. Por sua natureza, esse tipo de marketing é rápido, simples, contagiante. Então não é apropriado para temas sérios como tragédias, preconceito, ou religião. A polêmica pode até gerar viralização — mas é essa a mensagem que você quer associado ao seu negócio?

Como sempre, tudo volta a qualidade. Sempre vale a pena investir em um publicidade bem feita. A qualidade fala por si mesma.

Leave a Comment